Dia Internacional da Mulher: a luta por igualdade de gênero continua

Em 8 de março é comemorado o Dia Internacional da Mulher!

Você já sabe qual a origem da data e o motivo pelo qual este dia é celebrado no mundo?

Leia o artigo até o fim e conheça também a luta de algumas mulheres alcançaram o sucesso!

Breve histórico

Tudo começou com uma grande passeata organizada por mulheres em 26 de fevereiro de 1909, em Nova Iorque. 

Foi neste dia que cerca de 15 mil mulheres marcharam juntas pelas ruas da cidade, reivindicando melhores condições de trabalho.

Na época, a jornada de trabalho das mulheres chegavam a 16 horas por dia, incluindo os domingos.

Esse pode ser considerado o marco para a celebração do Dia Internacional da Mulher, nos EUA. 

O movimento nas fábricas crescia cada vez mais, quando em 1910 na Alemanha, Clara Zetkin sugeriu a realização da Segunda Conferência Internacional das Mulheres Socialistas, que tinha como proposta uma nova jornada de manifestações.

A data foi oficializada somente em 1975, quando a ONU nomeou este como o Ano Internacional da Mulher para lembrar as conquistas da classe.

Essa manifestação da ONU possui uma importância histórica muito forte, e até hoje evidencia a existência de um problema que não foi resolvido, a questão da desigualdade de gênero e também das condições de trabalho. 

O dia é comemorada no dia 8 de março,  mas ganhou um aspecto comercial em muitos lugares, principalmente em floriculturas, onde a flor virou um “símbolo” para celebrar o dia.

Por que o dia 08 de março?

Para explicar a origem desta data, iremos recorrer à história.

No Brasil, a data está relacionada ao incêndio ocorrido em 25 de março de 1911, na Companhia de blusas Triangle, onde 146 trabalhadores morreram, sendo 125 mulheres e 21 homens.

Tudo indica que o número de vítima foi alto porque a porta da fábrica estava fechada, impedindo a fuga dos trabalhadores.

O curioso caso da FOX

Em 2016, houve um legítimo escândalo relacionado ao assédio a mulheres dentro da FOX NEWS.

O até então diretor da emissora, Roger Ailes, foi acusado de agressão sexual  por uma ex-âncora da TV.

Roger foi consultor de mídia de presidentes republicanos, dentre eles George W. Bush, onde transformou a rede de TV FOX NEWS no canal de notícias a cabo mais visto nos EUA.

Em 7 de julho de 2016, a ex-âncora da empresa Gretchen Carlson, processou Roger por assédio dizendo que o ex-chefe a demitiu de forma indevida por ter recusado anos de sucesso na TV em troca de relações sexuais.

Além de Gretchen, outras funcionárias da rede de televisão norte-americana também sofreram assédio, uma vez que tinham como promessa do diretor progredir dentro da empresa. 

Após o julgamento no tribunal, a emissora concordou em pagar 20 milhões de dólares à Gretchen,  uma das apresentadoras mais renomadas da emissora.

Para Roger, o que daria audiência na exibição de telejornal seriam as pernas das mulheres, tanto que sempre orientava as câmeras a focarem nos atributos femininos.

Muitas funcionárias se submeteram a esta situação, justamente por conta da atitude opressiva de Roger. 

A única que não se calou foi Gretchen, onde ela decidiu processá-lo, causando um grande burburinho dentro da FOX.

A FOX pagou 30 milhões de dólares a 11 mulheres para que não prosseguissem com processos criminais.  

Em nota, a emissora afirmou o compromisso e respeito a todas as mulheres que trabalharam e trabalham na emissora e repudiou qualquer ato de assédio.

Agora que já sabe quais sobre o histórico da data, iremos falar no tópico seguinte sobre a presença da mulher no mercado de trabalho.

Presença feminina no mercado de trabalho

Dados da Associação Brasileira de Startups (ABStartups) apontam que 84,3% dos empreendedores são do sexo masculino e 15,7% são do sexo feminino.

O setor com mais presença de mulheres é o jurídico (legaltech), com 25% das mulheres como sócias, já nas fintechs apenas 11% das mulheres abriram o seu negócio.

Um dos maiores desafios para as mulheres no mercado financeiro está em confrontar os olhares dos investidores, que na maioria das vezes são homens.

Outro problema é que o mercado de fintechs não enxerga as mulheres como empreendedoras ou boas profissionais.

Hoje ainda ocorrem iniciativas para discutir a liderança de mulheres no mercado. Além disso, há também o Women in Tech, que capacita e incentiva a participação de mulheres em fintechs.

Por exemplo, em espaços de empreendedorismo, há muitas startups participantes, onde cerca de 42 delas são lideradas por elas.

Mulheres no poder

A seguir, listaremos  algumas mulheres que conquistaram não só o próprio patrimônio, como também ajudam na construção do empoderamento feminino.

1. Luiza Trajano

É uma das mais poderosas mulheres do nosso país, atual CEO da Magazine Luiza.

Luiza Trajano nasceu em Franca, em 1951. Quando assumiu os negócios da família, conseguiu em pouco transformar a marca como uma das mais conceituadas do mercado e em pouco tempo.

Há 25 anos a frente do grupo  inspira novas mulheres que estão em busca de um negócio de sucesso.

Além disso, Luiza Trajano pode ser um bom exemplo de como desenvolver um negócio de maneira rápida e eficiente. 

A Magazine Luiza surgiu a partir de uma ideia do casal Luiza Trajano e Pelegrino José Donato, que compraram a Cristaleira, uma pequena loja de presentes em Franca. 

O nome da marca surgiu após o resultado de um concurso cultural promovido por uma rádio local.

Já havia essa interatividade com os clientes, mostrando que isso já era um  grande diferencial para atrair novos clientes.

Luiza Trajano ainda criou um canal para que suas colaboradoras pudessem denunciar casos de violência doméstica, contando com suporte psicológico e jurídico.

É também pioneira na criação de um programa de acesso ao trabalho para homens e mulheres trans.

2. Hanna Schiuma

Hanna Schiuma mora há mais de 20 anos na Argentina e começou a dedicar boa parte das suas causas ao empoderamento feminino em especial as fintechs e a área financeira.

Inaugurou uma ONG de Rede Ibero americana de Mulheres em Fintechs, e recentemente está inaugurando um banco digital com focos em mulheres no país.

O ElasBank será inaugurado através de uma área no qual ela tem experiência,  a de investimentos; a previsão de abertura do banco digital é para primeiro semestre de 2020.

Trata-se de uma plataforma para investidores, com um robô especializado que irá aconselhar os clientes a aplicarem o seu dinheiro. 

Além disso, a empreendedora promete fazer um banco para atender as necessidades das mulheres, oferecendo alguns tipos de serviço como: cartão de crédito, P2P lending, conta – corrente, carteira de criptomoedas e também produtos para empreendedoras.

3. Chieko Aoki

Chieko é uma das pessoas mais poderosas do mercado financeiro.

É empresária e fundadora de uma das maiores de redes hoteleiras, a Blue Tree Hotel, no segmento desde 1980, quando ainda era diretora de marketing.

Em 1997 decidiu empreender, e fundou a rede Blue Tree Hotels, que conta atualmente com 20 unidades espalhadas pelo Brasil inteiro.

A sua história serve como inspiração para os empresários, pois trata-se de uma profissional muito ativa no mundo dos negócios, e faz parte de instituições como o LIDE (Grupo de Líderes Empresariais), além de fazer parte do CEAL (Conselhos de Empresários da América Latina) e Academia Brasileira de Marketing.

Podemos perceber que a mulher contemporânea ainda sofre discriminação, principalmente a respeito da igualdade no tratamento de gêneros.

De acordo com o artigo 5 da Constituição, que trata a respeito das garantias fundamentais, temos a seguinte disposição: “homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos da Constituição”.

Independente do cargo que ocupam, as mulheres devem ser respeitadas si e não só no mercado de trabalho, mas também pela sociedade.

Mulher não pode usar a roupa que quiser?

Por que uma mulher não pode jogar ou gostar de futebol?

Por que uma mulher não pode dirigir um ônibus?

Lugar de mulher não é só na cozinha, é onde ela quiser!

Acabe com  preconceito, o respeito está em primeiro lugar.

Viva as mulheres!

08 de março, Dia Internacional da Mulher

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: