O que acontecerá com o Bitcoin após o Halving?

A pergunta que todos estão se fazendo: será que o Halving irá valorizar o preço da criptomoeda após o fim da pandemia? A resposta é o que todo o mundo quer saber!

Antes de tudo, é necessário entender do que se trata o Halving: é um evento que ocorre a cada 4 anos e nele a quantidade de Bitcoins minerados são reduzidos pela metade. Cada minerador passa a ter menos recompensas com a criptomoeda e, em resumo, a oferta é reduzida pela metade. Neste mês de maio, ocorreu o terceiro Halving da história.

Para alguns traders não há nenhum motivo plausível pelo qual Satoshi Nakamoto tenha criado o evento, mas o que se sabe é que foi pensado com o objetivo de aumentar a escassez, diminuindo a oferta e aumentando o preço do ativo.

O impacto do corte da recompensa

Os mineradores geralmente se utilizam de altos poderes computacionais com o intuito de adicionar novos blocos na blockchain. Atualmente contamos com 12,5 BTCS e a expectativa é que após o evento seja reduzida para 6,25.

Com base em análises dos Halvings anteriores, é possível notar que o valor da criptomoeda aumentou 80 vezes. Na opinião dos traders, este Halving será positivo pelo fato de gerar muita atividade no mercado. Para eles, se o valor do Bitcoin estagnar, isso significa que terão mais lucros, pelo fato que as pessoas sentirão mais confiança para aplicar.

Mineração e Halving: entenda a relação

Sem dúvidas, o Halving é o grande evento do mercado cripto. 

Mas não podemos esquecer também de como este fenômeno afeta a mineração. A rede pode ficar mais lenta, as transações podem ficar mais demoradas e há a possibilidade de ocorrer uma menor liquidez no mercado. E isso, somente as novas tecnologias de dimensionamento de rede podem resolver.

Com a COVID-19 e a recente alta de preço do Bitcoin, a mineração pode se tornar um processo arriscado a curto prazo. Por isso, muitas mineradoras que não possuem muitos recursos computacionais estão sendo obrigadas a fechar, fazendo com que a rede Bitcoin enfrente um aumento da centralização, o que preocupa em termos de segurança, já que neste caso se abre a possibilidade para a atuação de hackers.

O Bitcoin vai subir após o Halving?

O que se sabe é que na última semana do mês março, o valor do Bitcoin despencou mais de 50%. Porém, até meados de abril, o ativo registrou uma alta de 90%, após a recente desvalorização. Até o começo de maio o Bitcoin teve uma alta considerável, ultrapassando a barreira dos R$ 50 mil reais. Vale ressaltar que nos Halvings anteriores, tanto em 2012 como 2016, o valor da criptomoeda apresentou um aumento expressivo, no ano seguinte.

Diante desses movimentos, temos alguns cenários distintos:

  • O de incerteza, pois ainda não se sabe ao certo até quando irá durar a crise ou se o Halving irá valorizar cada vez mais a criptomoeda; 
  • Investidores buscam ativos que são considerados como reserva de valor para proteger os seus investimentos. Por isso é possível acreditar que o Halving impactará de forma positiva o Bitcoin;
  • Desde o último evento, a taxa de inflação do Bitcoin vem caindo em pelo menos 1,5%. No próximo ano é esperado que a taxa de inflação diminua em 2%. Além disso, a proposta de valor, a escassez do ativo continuará aumentando. Assim, levará em média 20 anos para que a última criptomoeda seja produzida.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: